Com sede em Sevilha, o berço do Flamenco

Barcelona Flamenco Ballet

O Barcelona Flamenco Ballet combina três estilos de dança com os quais todos estamos familiarizados – jazz, contemporâneo e, claro, flamenco – embora a integração dos três resulte numa presença totalmente inovadora no palco. Criando uma tensão tão elétrica, os sons metálicos do bater dos pés dos dançarinos perduram nos ouvidos, deixando-nos questionando: o que significa “renascer” nesta produção?

Uma interpretação de “reborn” no Barcelona Flamenco Ballet é a da reconstrução. Os dançarinos estão constantemente a reconstruir os ambientes que produzem no palco. Eles constroem um movimento, ou um ritmo, com movimentos repetitivos e vigorosos – e depois quebram-no, parando instantaneamente, rompendo a ordem estabelecida, depois recomeçando, com um novo movimento, um novo ritmo. Desta forma, o ritmo em si é “renascer” – constantemente renovando a dinâmica da performance, mantendo-a fresca e viva. Essas transições das exuberantes manifestações de paixão para momentos de intimidade silenciosos significam que a produção está constantemente em flutuação, num processo de reinvenção.

Nós também vemos os artistas a serem “renascidos” através da sua descoberta e reivindicação do flamenco. Inicialmente, a sua roupa formal e apertada restringe-os. São impedidos de se mover livremente, cada movimento que fazem é duro. No entanto, à medida que a música cresce, encontram uma harmonia entre os seus corpos e a música – como o flamenco os ajudou a redescobrir uma parte de si mesmos, uma nova parte que foram capazes de libertar.

Além disso, a relação entre artistas e público é considerada “renascida” ou recuperada em todo o Barcelona Flamenco Ballet. Devido à sua reserva inicial, as fronteiras entre artista e espectador são rígidas. A audiência fixa está ciente de que é uma performance encenada que está a assistir. No entanto, à medida que as performances e os espíritos se tornam mais liberados, os dançarinos e músicos abrem um diálogo mais forte com o público. Tornam-se mais casuais e conversam com o público. É como se a personalidade natural do artista fosse capaz de vir à superfície – agora não contaminada por qualquer “máscara de artista”. Consequentemente, o público responde numa trajetória correspondente –envolvendo-se com a forma como os artistas se movimentam e com o que eles dizem. Então, dessa maneira, não apenas os artistas renascem – mas os espectadores também conseguem encontrar uma sensação de reinvenção?

O Barcelona Flamenco Ballet, na sua grandeza monumental, possui um aspeto simbólico, quase expressionista, o qual é visto no seu evocativo uso da cor. A iluminação de palco azul é usada para destacar os momentos mais silenciosos, quando um dançarino está a atuar sozinho – para representar a solidão e refletir a paz de encontrar do intérprete dentro de si. Um palco escuro e preto, iluminado por um único holofote, retrata um momento de construção de tensão, muitas vezes com mais fumo para dar ênfase. Mais significativamente, os dramáticos efeitos vermelhos geram uma sensação do incomum, ou do estranho. O vermelho conota um número diversificado de significados e símbolos: perigo, paixão, medo, dor, sangue – todas as características de Espanha como nação e identidade espanhola. Desta forma, o Barcelona Flamenco Ballet não é apenas uma performance de dança – mas sim uma obra de arte.

Pode também gostar

Espetáculos